O Papel do PMO e a interação no Projeto de Transformação Kaizen

O Papel do PMO e a interação no Projeto de Transformação KAIZEN™

Manuel Enrique A. Almeida é gerente de PMO na Unidade de Negócios Fosfato do grupo Anglo American. A Anglo American é uma das maiores empresas de mineração do mundo, com sede no Reino Unido e capital aberto em Londres e Joanesburgo.

Em março de 2010 foi implementada uma área de PMO (Project Management Office) atendendo a Unidade de Negócios Fosfato do grupo Anglo American com o objetivo de coordenar e agilizar as iniciativas de Otimização de Ativos (AO, ou seja, Asset Optimisation).

A estruturação da área de PMO iniciou-se com a concepção de uma metodologia de gerenciamento de projetos que pudesse fornecer acompanhamento objetivo e eficiente dos projetos chave, além de apoiar os gerentes de projeto no monitoramento dos momentos chave, avaliação de retorno do projeto (por exemplo através de cálculo do NPV, Net Present Value) e controle dos KPI (Key Performance Indicator). O PMO começou a identificar áreas com desempenho abaixo do requerido e desenvolver planos de ação para corrigir os problemas detectados através das métricas de desempenho. Uma função importante é o controle dos resultados de cada projeto, além de detectar e priorizar novas iniciativas de AO.

O PMO tem contribuído na melhoria das iniciativas AO no negócio Fosfato, garantindo um incremento de qualidade, agilidade e com um custo menor. Em dois anos, o PMO desenvolveu um pipeline com mais de 50 projetos que melhoraram significativamente o desempenho financeiro e operacional do negócio Fosfato. A equipe foi tão bem sucedida que o papel do PMO expandiu para áreas como a Cadeia de Suprimentos, Segurança & Desenvolvimento Sustentável e Recursos Humanos.

Uma das iniciativas mais promissoras de governança do PMO é o Projeto KAIZEN™. De origem japonesa, a palavra KAIZEN™ significa “mudar para melhor”, e tem como tradução mais consagrada o termo “melhoria contínua”. No processo de transformação KAIZEN™ as pessoas trabalham de forma colaborativa estudando os problemas, analisando as causas e tomando ações que eliminem essas causas. Embora normalmente associado com a indústria de manufaturados, onde apresenta resultados comprovados ao longo dos anos, a metodologia KAIZEN™ também mostra-se consistente nas indústrias de mineração e química, com incremento de resultados de capacidade produtiva, redução de perdas de material, aumento de qualidade e redução de custos, entre outros ganhos.

Em agosto de 2011, o Kaizen Institute foi contratado pelo PMO para mapear os processos produtivos, detectar e implementar projetos de melhoria nas plantas de Beneficiamento de Minério e Fábricas de Fertilizantes do negócio Fosfato. A análise estruturada foi conduzida, identificando-se ganhos potenciais anuais relevantes de aumento de capacidade de produção, que era a diretriz estratégica definida inicialmente. Um plano de ação para atingir a transformação almejada foi delineado agrupando as iniciativas em três categorias de implementação: Ações “Faça Já” (sem investimento, não requer análise mais detalhada e de curto prazo), Ações “Workshop GembaKaizen” (nenhum ou baixo investimento, requer uma análise em time e de curto prazo) e Ações “Projeto” (alto investimento e longo prazo).

A evolução dos KPIs mostra que houve uma melhoria significativa nos resultados das plantas através das Ações “Faça Já” e dos Workshops GembaKaizen. Todavia, o principal ganho foi a transformação da mentalidade das pessoas nas áreas operacionais, onde observa-se um grande engajamento, motivação e uma busca contínua pela excelência.

Este artigo foi originalmente escrito em inglês, e foi traduzido por Jefferson Escobar, gerente do Kaizen Institute Brasil.

Recent Posts

 
arrow up